Fale conosco pelo WhatsApp

Histerectomia (Retirada do Útero)

Histerectomia (Retirada do Útero)
Imagem meramente ilustrativa (Banco de imagens: Shutterstock)

A remoção do útero é um procedimento que pode ser realizado de maneira total ou parcial, dependendo do problema a ser tratado

A histerectomia é uma cirurgia ginecológica, que consiste na remoção do útero e, dependendo do problema que motivou a intervenção, das estruturas associadas ao órgão, como as tubas uterinas e ovários. Em geral, este procedimento é recomendado às mulheres que não tem desejo reprodutivo e possuem doenças uterinas que são tratadas, de maneira definitiva, com a remoção do útero, como a adenomiose e miomatose uterina. Além disso, é indicado, também, nos casos de câncer de útero e em alguns estágios do câncer de colo de útero.

A retirada do útero pode ser realizada de maneira total ou parcial, a depender da condição que justificou a histerectomia. Uma vez que o útero é um dos principais órgãos do sistema reprodutivo feminino, sua remoção pode trazer grandes alterações para o mental da paciente, sendo essencial que a mulher entenda detalhadamente o vai acontecer com seu corpo após o procedimento e receba a correta indicação para retirada do útero.

Quais são os tipos de histerectomia?

Quais são os tipos de histerectomia?

A cirurgia de remoção de útero pode ser dividida em três tipos, dependendo do objetivo e extensão do tratamento. São eles:

  • Histerectomia total: consiste na remoção do útero e colo do útero;
  • Histerectomia subtotal: trata-se da retirada do corpo uterino, com a manutenção do colo do útero. A vantagem dessa técnica é manter a estrutura de sustentação de assoalho pélvico, diminuindo, assim, o risco de prolapsos genitais e incontinência urinária;
  • Histerectomia radical: cirurgia em que são removidos o útero, colo do útero, região superior da vagina, tubas uterinas, ovários e paramétrios. Este procedimento é indicado em casos de câncer, em que a cirurgia tem o objetivo de ser ampla e curativa.

Cabe a médica ginecologista, responsável por acompanhar a saúde da paciente, a tarefa de avaliar o caso criteriosamente e indicar o tipo de histerectomia mais adequado para tratar a mulher.

Como é feita a cirurgia de histerectomia?

Existem diferentes vias de acesso para se realizar a histerectomia. A escolha da técnica varia conforme o tipo de doença que está sendo tratado, assim como as preferências do especialista e da paciente. As opções atualmente disponíveis são:

Histerectomia abdominal aberta

Praticamente em desuso atualmente, neste tipo de procedimento, é feita uma incisão na porção inferior do abdome, semelhante à incisão realizada na cesariana. Através desse acesso, o cirurgião faz a remoção do útero. O tempo de internação é mais prolongada, maior chance de complicações, maior dor e cicatriz maior.

Histerectomia vaginal

Todo o procedimento é realizado pela vagina, de maneira que não existe incisão visível, sendo este fato uma das grandes vantagens desse método. É considerada uma via minimamente invasiva, garantindo uma recuperação mais rápida e menor tempo de internação. Por outro lado, não é indicado para todos os casos, pois úteros de grande volume não podem ser removidos por essa via. Além disso, não é possível a realização de histerectomia subtotal ou radical pelo acesso vaginal.

Histerectomia laparoscópica

É a via de acesso em que une duas grandes vantagens: a possibilidade de poder realizar todos os tipos de histerectomia (total, subtotal ou radical) e ser minimamente invasiva. Desde a sua introdução na prática ginecológica, tem se tornado a principal via de escolha dos médicos e pacientes. Porém, requer um treinamento longo e específico para a sua realização.

Através de pequenas incisões no abdome (0,5 a 1,5 cm), são inseridos instrumentos bem delicados e uma câmera, empregados para a realização da cirurgia. A retirada do útero da cavidade abdominal pode ser feita pela vaginal (casos de histerectomia total) ou removido em fragmentos, utilizando um equipamento especial, chamado de morcelador. Quando há o uso do morcelador, temos o cuidado de “encapar” com um saco especial para proteger a cavidade pélvica.

Histerectomia robótica

Sua realização é muito semelhante à cirurgia laparoscópica, porém, o procedimento utiliza um moderno dispositivo robótico que é controlado pela cirurgiã. Esta técnica oferece maior segurança, pois permite movimentos mais amplos e delicados no interior do abdome, além de garantir uma visão muito mais detalhada, devido à câmera de alta resolução do robô, que, inclusive, oferece a noção de profundidade (visão 3D). Dessa forma, é possível diminuir o risco de lesões de órgãos adjacentes.

Histerectomia robótica

Quando a histerectomia é indicada?

Existem diversas situações que podem levar à necessidade de remover o útero, seja de maneira parcial ou total. Algumas das principais doenças que justificam a realização da histerectomia são:

  • Miomas uterinos de grandes dimensões;
  • Adenomiose;
  • Câncer ginecológico;
  • Prolapso uterino;
  • Sangramento vaginal anormal.

Vale lembrar que, para todas as condições citadas, a retirada do útero é apenas uma das opções de tratamento possíveis. É sempre necessário que a mulher seja cuidadosamente avaliada por uma uroginecologista, para identificar se a intervenção cirúrgica é a maneira mais adequada de lidar com a condição, trazendo mais benefícios do que riscos à saúde da mulher.

Cuidados pós-operatórios e recuperação da cirurgia

Após a histerectomia, é esperado que a paciente sinta leves desconfortos abdominais, como cólicas abdominais, e dificuldade para evacuar apenas nos primeiros dias de pós-operatório. Se a intervenção foi laparoscópica ou robótica, pode ocorrer, ainda, uma leve distensão abdominal, por conta do gás empregado para ajudar na visão dos órgãos.

No entanto, como são condições esperadas, habitualmente, são prescritos medicamentos para alívio desses sintomas, como analgésicos, anti-inflamatórios e antieméticos. Além disso, o paciente tem um papel fundamental na recuperação, pois precisa seguir algumas orientações, que aceleram todo esse processo, tais como:

  • Evitar carregar peso ou praticar atividades físicas nos primeiros 30 dias da cirurgia;
  • Manter abstinência sexual por 30 dias;
  • Evitar ficar deitada o dia inteiro – pequenas caminhadas e permanecer sentada em poltrona é muito importante para estimular o intestino, eliminar gases e evitar tromboses;
  • Manter dieta equilibrada e rica em fibras;
  • Manter uma ingestão adequada de líquidos.

O que acontece com o organismo feminino após a histerectomia?

Após a retirada do útero, a mulher não irá mais menstruar e nem poderá mais engravidar, embora ela possa manter uma vida sexual normal. Apenas nos casos em que a histerectomia inclui a remoção dos ovários, o organismo feminino deve passar a apresentar os sintomas típicos da menopausa — como queda na libido, fogachos, ressecamento vaginal, insônia e irritabilidade.

É importante lembrar, entretanto, que cada organismo reage de uma maneira particular ao procedimento, sendo necessário acompanhamento da médica ginecologista para avaliar o processo de recuperação e a necessidade de iniciar tratamentos específicos após a histerectomia.

Entretanto, é válido ressaltar que a remoção conjunta dos ovários é a exceção, e não a regra, na histerectomia, justamente por provocar todos esses sintomas relacionados à queda dos hormônios no organismo feminino. Os ovários são removidos quando a histerectomia é indicada por conta de um câncer, e, por isso, a ressecção precisa ser mais ampla. Ou quando há indicação forma de realizar a ooforectomia bilateral (retirada de ovários).

Para as mulheres que se preocupam com a vida sexual após o procedimento, não há motivo para temores: a tendência é que a paciente sinta até uma melhora na qualidade das relações sexuais, uma vez incômodos desencadeados pela presença do útero doente deixam de existir.

Para saber mais sobre a histerectomia e tirar suas dúvidas sobre este procedimento, entre em contato e agende uma consulta com a Dra. Priscila Matsuoka.

 

Fontes:

Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia

Dra. Priscila Matsuoka

Cuidado integral
à saúde da mulher

Agende uma consulta
(11) 99802-1564