Fale conosco pelo WhatsApp

Cirurgia de Mioma Uterino

Cirurgia de Mioma Uterino
Imagem meramente ilustrativa (Banco de imagens: Shutterstock)

Procedimento normalmente é indicado para mulheres que apresentam sintomas muito intensos ou, infertilidade ou quando o tumor está comprimindo outros órgãos

Chamada de miomectomia, a cirurgia de mioma uterino é um procedimento que consiste na remoção desses tumores benignos do útero. É recomendada para quadros em que a mulher apresenta complicações relacionadas à presença do mioma, como sangramento menstrual intenso, cólicas menstruais, dor para ter relação sexual, aumento do volume abdominal importante, dor abdominal, suspeita de doença maligna ou tem o desejo de engravidar. A paciente necessita de uma avaliação criteriosa de um especialista, que poderá estimar os benefícios e riscos associados à intervenção, antes de indicar sua realização.

Embora o mioma seja uma lesão benigna, sua presença pode alterar o formato do útero e causar sintomas como forte dor abdominal e menstruação abundante. Nesses casos, é importante que a condição seja acompanhada por um especialista em ginecologia minimamente invasiva, que poderá determinar se a cirurgia de mioma uterino é a melhor opção para controle dos sintomas e manutenção da qualidade de vida da paciente.

O que é o mioma uterino?

Relativamente comum entre mulheres que se encontram na fase reprodutiva da vida, o mioma uterino é um tumor benigno que se forma no útero. Na maioria dos casos, a existência de um mioma não leva à manifestação de sintomas clínicos, e a condição, normalmente, é descoberta acidentalmente, durante a realização de ultrassom pélvico.

No entanto, nos casos de miomas sintomáticos, é possível que a mulher apresente:

  • Aumento do fluxo menstrual, podendo resultar em anemia;
  • Cólicas intensas;
  • Dor durante as relações sexuais;
  • Constipação;
  • Dor pélvica;
  • Dificuldade para engravidar;
  • Aumento do volume abdominal;
  • Sensação de peso em abdômen.

Os miomas podem ser classificados em três tipos:

  • Miomas submucosos – são aqueles que se formam na porção mais interna do útero, abaulando a cavidade endometrial. Esse tipo de mioma está associado ao maior fluxo menstrual, cólicas e à maior dificuldade para engravidar;
  • Miomas intramurais – são formados na camada muscular do útero, também chamada de miométrio;
  • Miomas subserosos – localizam-se na camada mais externa do útero, projetando-se para o interior da cavidade abdominal. Este tipo está mais associado a complicações como torção do pedículo do mioma, que causa bastante dor abdominal.

O diagnóstico do mioma uterino pode ser feito por meio da realização de exames de imagem, como ultrassom pélvico e transvaginal, ou mesmo a ressonância magnética de abdome e pelve.

O que é o mioma uterino?

Como é o tratamento do mioma uterino?

Por se tratar de um tumor, muitas mulheres se assustam quando recebem o diagnóstico de mioma uterino, pois acreditam que a condição se trata de um câncer. Apesar de em algumas situações ocorrer a degeneração maligna do mioma, esta situação é muita rara. Dessa forma, como regra geral, os miomas uterinos são tumores benignos, que muito raramente transformam-se em câncer, e não apresentam maior risco de desenvolver câncer do útero ou do colo uterino.

No entanto, apesar de não representar um risco à saúde da mulher, é imperioso que se acompanhe periodicamente o mioma uterino, uma vez que seu crescimento, pode comprimir órgãos adjacentes, desencadear sangramentos uterinos volumosos, provocar dor abdominal e até trazer complicações durante a gravidez (necrose do mioma, abortos de repetição e trabalho de parto prematuro). Muitas vezes, a condição não demanda qualquer tipo de tratamento e as abordagens terapêuticas geralmente são indicadas nos casos em que há sintomas intensos ou dificuldades para engravidar.

O tratamento deve ser sempre individualizado, sendo escolhido pela ginecologista, a partir dos sintomas apresentados e a idade da paciente. Uma forma de minimizar os sintomas da paciente enquanto se aguarda a cirurgia de mioma uterino é o uso de medicamentos que podem controlar o volume do fluxo menstrual e a intensidade da sua dor, como anti-inflamatórios e anticoncepcionais orais. Além disso, algumas pacientes necessitam de reposição de ferro, como uma forma de tentar diminuir a intensidade da anemia que se associam com alto fluxo menstrual provocado pelos miomas.

Quando a cirurgia de mioma uterino é indicada?

A miomectomia é indicada principalmente nos casos em que o tumor está pressionando outros órgãos ou provocando sintomas muito intensos e que não podem ser controlados por meio de tratamentos clínicos com medicamentos, contraceptivos ou até mesmo um dispositivo intrauterino hormonal. Quando a paciente deseja engravidar e apresenta miomas do tipo submucoso (que se desenvolvem na parte interna da cavidade uterina), a cirurgia de mioma uterino também pode ser indicada.

Tipos de cirurgia para remoção de mioma uterino

O tipo de cirurgia para a ressecção do mioma baseia-se, inicialmente, pela sua localização, ou seja, miomas submucosos são removidos de uma forma, ao passo que miomas intramurais e subserosos são removidos de uma outra forma.

Além disso, um outro ponto a ser considerado na decisão da melhor via de acesso, é o desejo, ou não, da paciente em engravidar. Se a paciente, por exemplo, não tem desejo reprodutivo, uma opção possível é a remoção do útero total ou parcialmente (histerectomia total ou subtotal), juntamente com os miomas. Certamente é um procedimento maior, mas tem seus benefícios no longo prazo, considerando que a paciente não teria mais desejo de engravidar.

No entanto, vamos focar somente nas técnicas cirúrgicas que removem os miomas e preservam o útero. Nesse sentido, os tipos de cirurgia de mioma uterino são:

  • Miomectomia videolaparoscopia: consiste na realização de pequenas incisões na região abdominal, por onde são inseridos os instrumentos necessários para a intervenção, bem como uma microcâmera que possibilita ao cirurgião enxergar o interior da cavidade abdominal da paciente. É uma excelente via de acesso para os miomas subserosos e intramurais;
  • Miomectomia robótica: os passos iniciais são semelhantes à videolaparoscopia, com diferença de que se emprega o robô, o qual possui pinças especiais e uma câmera de alta resolução, que permite ao cirurgião realizar uma cirurgia mais segura, com menos riscos à paciente;
  • Miomectomia convencional aberta: método praticamente em desuso atualmente, é realizada a partir de uma incisão na porção inferior do abdome, permitindo a retirada dos miomas. Esta incisão, normalmente, é semelhante ao de uma cesárea;
  • Miomectomia por Histeroscopia cirúrgica: é realizado com a inserção de uma pequena câmera no interior do útero, por via vaginal, onde é possível localizar o mioma e removê-lo completamente. Obviamente, é a via de escolha para os miomas localizados na parte mais interna do útero, isto é, os miomas submucosos.

Pré e pós-operatório da cirurgia de mioma uterino

Independentemente da via de acesso escolhida para o tratamento do mioma uterino, os cuidados pré-operatórios incluem a realização de exames laboratoriais e de imagem, para avaliar as condições clínicas da paciente e identificar o local exato da formação benigna. Eventualmente, é necessária uma avaliação cardiológica antes do procedimento, para diminuir os riscos cirúrgicos.

O pós-operatório da cirurgia de mioma uterino é considerado tranquilo, demandando repouso ao redor de 14 dias e abstinência sexual a depender do tipo de procedimento. Todas essas recomendações são passadas ao longo do processo de preparação para a cirurgia e relembradas no momento da alta hospitalar.

É sempre válido ressaltar que, assim como toda intervenção cirúrgica, a miomectomia oferece riscos à paciente. Algumas das principais complicações possíveis são sangramentos, infecção de ferida operatória e necessidade de transfusão sanguínea. No entanto, todos esses riscos são minimizados a partir de um pré-operatório bem-feito, conduzido por uma ginecologista experiente e com amplo conhecimento em cirurgia minimamente invasiva.

Entretanto, esta cirurgia nem sempre pode ser considerada definitiva, já que um novo mioma pode surgir em outra região do útero, após alguns anos. Dessa forma, o acompanhamento especializado é sempre necessário.

Para saber mais a respeito da cirurgia de mioma uterino e tirar suas dúvidas a respeito deste procedimento, entre em contato e agende uma consulta com a Dra. Priscila Matsuoka.

 

Fontes:

Dra. Priscila Matsuoka

Ministério da Saúde

Cuidado integral
à saúde da mulher

Agende uma consulta
(11) 99802-1564